Bolsonaro encontra governador que pedirá "socorro" por dívida de R$ 21 bi

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) se encontra hoje com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que vai pedir “socorro” para retomar os investimentos no estado, envolto em uma dívida crescente e que, hoje, supera os R$ 21 bilhões.

Em entrevista ao UOL, Caiado disse que o estado vem cumprindo o “dever de casa”, reduzindo os custos da máquina, mas que o Ministério da Economia poderia, por exemplo, liberar empréstimos ou recursos para obras específicas.

“Vou buscar um socorro”, disse o governador à reportagem. “Estamos proibidos de tomar empréstimos”, continuou, mais à frente. “Precisamos cada vez mais apoio do governo para sinalizar uma alternativa. Precisamos criar um estado de sinalização de um mínimo de oxigenação da economia do estado.”

“Eu estou vivendo sob liminares”, destacou Caiado. Decisões judiciais permitiram ao estado não pagar a dívida com o Tesouro do governo federal e com bancos. Hoje, quase toda a receita de Goiás está comprometida com pagamento de funcionários, aposentados e precatórios, as dívidas judiciais.

Caiado disse que o estado tem 5 mil quilômetros de rodovias esburacadas, mas não tem dinheiro e nem pode captar recursos para tocar a obra. Ele gostaria que fosse liberada uma verba para isso. “É empréstimo específico. Vai aqui, vamos reparar rodovias. Se quiserem, o Tribunal de Contas da União pode até acompanhar”, exemplificou o governador de Goiás.

Outra opção, contou, seria autorizar o Estado a captar empréstimos no exterior.

Há ainda necessidades na saúde goiana, que precisa ter mais atendimento regional, de acordo com o governador. Quase tudo é centralizado em Goiânia, diz Caiado, médico de formação.

O governador afirma que vai pedir apoio a Jair Bolsonaro para um projeto social “amplo” que integraria famílias e estudantes. “Na área social, vou discutir com ele um projeto social muito amplo, totalmente diferente daquele da [deputada] Tábata [Amaral, PDT-SP]. Mas buscanso uma integração da família na integração do estudante também.”

Já mostrei austeridade a Guedes, diz governador

Caiado diz que está fazendo uma administração enxuta, mas a situação fiscal que diz ter herdado da gestão de Marconi Perillo (PSDB) não permite agir com mais cortes. “Já mostrei ao ministro [Paulo] Guedes, da Economia, que estou tomando esses cuidados. Já fiz cortes, diz demissões, diminuí a máquina, estou revendo contratos, estou desbaratando todas as quadrilhas que roubaram Goiás”, enumerou.

“Mas Goiás só tem 1% de investimento. Como vou viver numa situação dessas?”

Ele disse que a medida de decretar situação emergencial para reduzir jornada de trabalho de servidores e salários não resolve. A medida faz parte do pacote de reforma administrativa enviado por Bolsonaro ao Congresso esta semana. Mas, para Caiado, o Supremo Tribunal Federal (STF) já mostrou que isso é impossível.

Hoje, Bolsonaro vai entregar 214 ônibus escolares para municípios do Estado. A solenidade acontece à tarde, logo depois da reunião com Caiado.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas