Cabral fecha acordo de delação com a PF e se compromete a devolver R$ 380 mi

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral assinou 1 acordo de delação premiada com a Polícia Federal. A informação foi publicada nesta 2ª feira (16.dez.2019) pelo jornal O Globo. O processo é mantido sob sigilo.

Preso desde outubro de 2016 e condenado a mais de 200 anos de cadeia em ações da operação Lava Jato, Cabral se comprometeu a devolver R$ 380 milhões aos cofres públicos.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

O acordo entre Cabral e a PF foi enviado para o STF (Supremo Tribunal Federal) e distribuído ao ministro Edson Fachin. O magistrado pediu manifestação do procurador-geral da República, Augusto Aras, que se posicionou contra a homologação.

Segundo O Globo, em seu parecer, Aras lembrou que Cabral ocultou informações e protegeu pessoas durante a negociação do acordo com o consórcio da “Lava-jato” no Rio de Janeiro.

De acordo com o jornal, nos depoimentos prestados à PF, Cabral citou dezenas de políticos beneficiários do esquema de corrupção montado em sua gestão no Estado e membros do Judiciário.

Entre os citados pelo político estariam ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e, por esse motivo, o acordo depende da homologação do STF.