SUS vai oferecer vacina contra febre amarela no Nordeste e ampliar faixa etária para imunização contra gripe

Mudanças valem em 2020: mais de mil municípios do Nordeste passarão a ser áreas com recomendação da vacina de febre amarela e a faixa etária de 55 a 59 anos será alvo nas campanhas contra influenza. Vacina da gripe será dada a pacientes a partir de 55 anos em 2020
A partir de 2020, o Ministério da Saúde ampliará a oferta de vacinas contra febre amarela e gripe no Sistema Único de Saúde (SUS). Enquanto a vacina contra a febre amarela terá uma dose de reforço para crianças com quatro anos e será ofertada em todo o país, a vacina contra a Influenza passará a incluir a faixa etária de 55 a 59 anos.
No que diz respeito à febre amarela, a vacinação contra a doença será ampliada de forma gradativa para 1.101 municípios dos estados do Nordeste que ainda não faziam parte da área de recomendação. O objetivo da mudança é fazer com que todo o território passe a contar com a vacina contra febre amarela na rotina dos serviços. Até o momento, a vacina era recomendada para quem vive ou visita as regiões Sul, Sudeste, Norte e Centro-Oeste.
Já em relação à gripe, com o aumento da faixa etária de a partir de 60 para 55 anos, o público-alvo passará a representar aproximadamente 67,7 milhões de pessoas.
Atualmente, a vacina contra a gripe é ofertada no SUS para idosos com 60 anos ou mais; crianças de 6 meses a 5 anos; gestantes e puérperas (período de 45 dias após o parto); trabalhadores da saúde; professores de escolas públicas e privadas; povos indígenas; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; forças de segurança e salvamento; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e funcionários do sistema prisional.
As novas diretrizes sobre as Campanhas Nacionais de Vacinação foram enviadas pela pasta aos estados e aos municípios em novembro deste ano.
Febre amarela
Entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019, foram confirmados 82 casos de febre amarela em humanos em 11 cidades do Brasil. Desses, 14 faleceram, segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, atualizado em julho. A maioria dos casos foi registrado em São Paulo, além de registros no Paraná, que não tinha registro de casos da doença desde 2015, e Santa Catarina.
Em março deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu um comunicado recomendando que estrangeiros se vacinassem contra febre amarela antes de visitar áreas de risco de contaminação pelo vírus.
A febre amarela causa sintomas como dor de cabeça, febre baixa, fraqueza e vômitos, dores musculares e nas articulações. Em sua fase mais grave, pode causar inflamação no fígado e nos rins, sangramentos na pele e levar à morte.
Devem consultar o médico sobre a necessidade da vacina: portadores de HIV positivo; pacientes com tratamento quimioterápico concluído e transplantados
Quem deve se vacinar contra a febre amarela?
Não há indicação de imunização para:
Grávidas
Mulheres amamentando crianças com até 6 meses
Imunodeprimidos, como pacientes em tratamento quimioterápico, radioterápico ou com corticoides em doses elevadas (como por exemplo Lúpus e Artrite Reumatoide)
O avanço e o medo da febre amarela no Rio de Janeiro
Gripe
Todos os anos, o governo federal realiza uma campanha nacional de vacinação voltada a pessoas mais vulneráveis ao vírus da gripe. Em 2019, alguns estados, como Amazonas e Roraima, tiveram que antecipar o início da campanha por causa de surtos de gripe.
A vacina não é capaz de causar a gripe em quem recebe. Ela permite que o paciente fique imune aos tipos de vírus mais comuns em circulação sem ficar doente.
Vacina da gripe é eficaz? Tire dúvidas
Vacinas do sarampo, gripe e meningite: adultos podem tomar?
São vários os tipos, subtipos e linhagens de vírus causadores da gripe. Eles entram no corpo principalmente pelas vias respiratórias. O contato com pessoas doentes e com objetos contaminados são as principais formas de transmissão.
A queda das temperaturas no outono e no inverno tende a aumentar as aglomerações de pessoas em lugares fechados, sem ventilação. Portanto, são maiores também os riscos de pegar a doença.