Flavio nega crimes, ataca juiz e diz ter ‘nada a ver’ com depósitos de Queiroz

O senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ) publicou 1 vídeo nesta 5ª feira (19.dez.2019) para rebater as acusações que têm sofrido. O filho 01 do presidente Jair Bolsonaro é alvo de investigação que apura lavagem de dinheiro e desvio de dinheiro público de seu gabinete quando era deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), de 2003 a 2019.

No vídeo, Flavio afirma que está sofrendo uma “perseguição” com o intuito de atacá-lo, desgastar sua imagem e atingir o presidente da República. O senador questiona como as informações da investigação foram vazadas para a imprensa, uma vez que o processo corre sob segredo de Justiça. “Quem é que vazou isso? Foi o juiz? Foram os promotores? Foram ambos? De quem é a responsabilidade por esse crime?“, questiona. “Parece que o sigilo vale apenas para mim, porque eu fico sabendo das coisas pela imprensa.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Além disso, afirmou que o juiz do caso, Flávio Itabaiana, toma decisões “sem fundamentação“. O senador o chamou de “incompetente” e disse que o magistrado virou “chacota“. Também acusou a filha do juiz, Natália Nicolau, de trabalhar com o governador fluminense Wilson Witzel (PSC).

Na 4ª feira (18.dez), o MP-RJ cumpriu mandado de busca e apreensão em uma franquia de chocolates que Flavio tem 50% de participação.

Segundo Flavio, a operação está “expondo ao ridículo, ao absurdo, pessoas que são trabalhadoras“. O congressista disse que está sendo criada uma “narrativa absurda“. Afirmou que respeita o Ministério Público, mas que há pessoas mal intencionadas na instituição.

Disse que há 1 “conluio de pessoas poderosas para tentar atacar o presidente e tirá-lo à força“. “Não conseguirão. Eu não fiz nada de errado“, afirmou.

Eis a íntegra do vídeo que Flávio publicou:

Flavio Bolsonaro rebateu vários pontos de acusações de que é alvo. Sobre a compra de imóveis em Copacabana com valor 30% abaixo do preço de mercado (o que supostamente indicaria lavagem de dinheiro), Flavio afirmou que comprou duas quitinetes de 1 grupo de investidores estrangeiros que estava saindo do Brasil. Segundo ele, por comprar os 2 imóveis, ele conseguiu negociar 1 preço mais baixo, uma vez que os proprietários estariam com pressa para vender.

Em relação ao ex-assessor Fabrício Queiroz, o senador afirmou que os depósitos na conta do assessor aconteceram em 1 período de 12 anos e que a maioria dos recursos era oriunda da própria família, que também trabalhava em seu gabinete na Alerj. “Ele geria os recursos da família. A família depositava o dinheiro na conta dele e ele fazia o que queria. Eu não tenho nada a ver com isso.

Além disso, afirmou que a loja de chocolates recebe muitos pagamentos em dinheiro, o que explicaria as transações em espécie. Também rebateu o fato de que recebe muito mais dividendos de lucro do que o sócio, apesar de ter 50%. Afirmou que ele leva muitos mais clientes para a loja do que o sócio. “É obviamente natural que, na hora da divisão dos lucros, eu tenha uma parte maior“, disse. Afirmou também que tem tudo declarado no Imposto de Renda e que sempre fez “tudo certinho“.

Também rebateu as acusações de que 1 policial militar o ajudava a lavar dinheiro. De acordo com Flavio, o policial pagou uma de suas contas em uma única ocasião, quando o banco fechou e ele precisava efetuar 1 pagamento.

Eu tinha pedido pra ele pagar uma conta pra mim, uma parcela do apartamento que eu tava pagando. Ele pagou e depois e eu reembolsei“, disse. Também afirmou que o policial comprava produtos de sua loja para dar de presente para os clientes da sua empresa de vigilância.