Leilão de linhas de transmissão termina com todos os 12 lotes arrematados

O leilão para a construção e operação de 2.470 km de novas linhas de transmissão de energia elétrica terminou com todos os 12 lotes arrematados. A expectativa da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) é que os investimentos nos empreendimentos somem R$ 4,18 bilhões nos próximos anos.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

A disputa foi marcada pela apresentação de muitas ofertas por lote. Os lotes 2 e 8, por exemplo, receberam 12 lances. O leilão terminou com deságio médio recorde de 60,3%. Ou seja, a RAP (Receita Anual Permitida) –valor que as transmissoras recebem pela prestação do serviço aos usuários– ficou abaixo do teto estabelecido pelo governo.

A participação da elétrica Cteep (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista) foi 1 dos grandes destaques do certame. A empresa controlada pela colombiana ISA arrematou 3 empreendimentos. Também chamou atenção a participação de empresas de construção e engenharia.

Eis 1 resumo do resultado do leilão:

if(“undefined”==typeof window.datawrapper)window.datawrapper={};window.datawrapper[“weosS”]={},window.datawrapper[“weosS”].embedDeltas={“100″:1262.03124,”200″:993.03124,”300″:917.03124,”400″:873.03124,”500″:857.03124,”600″:813.03124,”700″:813.03124,”800″:813.03124,”900″:797.03124,”1000”:797.03124},window.datawrapper[“weosS”].iframe=document.getElementById(“datawrapper-chart-weosS”),window.datawrapper[“weosS”].iframe.style.height=window.datawrapper[“weosS”].embedDeltas[Math.min(1e3,Math.max(100*Math.floor(window.datawrapper[“weosS”].iframe.offsetWidth/100),100))]+”px”,window.addEventListener(“message”,function(a){if(“undefined”!=typeof a.data[“datawrapper-height”])for(var b in a.data[“datawrapper-height”])if(“weosS”==b)window.datawrapper[“weosS”].iframe.style.height=a.data[“datawrapper-height”][b]+”px”});

Os empreendimentos estão localizados em 12 Estados –Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

O governo estima que eles criarão 8.782 empregos diretos. As instalações de transmissão deverão entrar em operação comercial no prazo de 48 a 60 meses a partir da assinatura dos respectivos contratos de concessão.