MP-RJ diz que Flavio ‘lavou’ R$ 638 mil em compra de imóveis

Relatório do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) afirma que o senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ) e sua mulher, Fernanda, compraram 2 imóveis em Copacabana, zona Sul do Rio, de forma ilegal. Flavio teria depositado R$ 638,4 mil em dinheiro vivo na conta de 1 corretor de imóveis. Com isso, teria ocultado o ganho ilícito de dinheiro.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Os promotores argumentam que o uso de dinheiro em espécie foi feito para lavar a quantia recebida por meio de “rachadinha” no gabinete de Flavio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio). O esquema de rachadinhas consiste em fazer com que os servidores devolvam parte dos seus salários para os deputados.

Nesta 4ª feira (18.dez.2019), o MP-RJ cumpriu mandados de busca e apreensão em uma loja do senador no Rio. A informação dos imóveis consta no pedido que baseou a operação.

Investigação

As apurações apontam que os depósitos foram feitos em 27 de novembro de 2012 na compra de 2 apartamentos que pertenciam a investidores norte-americanos.

Para os procuradores, a suspeita de lavagem de dinheiro se pauta no fato de o responsável por vender os imóveis, Glenn Dillard, ter depositado ao mesmo tempo os cheques e o dinheiro vivo entregues por Flavio.

O MP suspeita também que o senador e sua mulher declararam no registro da compra 1 preço menor do que o imóvel valia. Assim, o corretor Dillard receberia uma quantia “por fora”.