Polícia Federal indicia 6 suspeitos de hackear celulares de Moro e Dallagnol

A Polícia Federal indiciou nesta 5ª feira (19.dez.2019) por organização criminosa e interceptação telemática 6 investigados na operação Spoofing. A conclusão dos delegados do caso está no relatório final da investigação, enviado à 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília. O processo está sob sigilo.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

A operação investigou crimes cibernéticos a partir da invasão de celulares de autoridades, entre eles, o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba.

Foram indiciados Walter Delgatti Neto (apontado como líder do esquema criminoso) e Danilo Marques, presos desde julho deste ano, na 1ª fase da operação; e Luiz Molição (que fechou acordo de delação premiada), e Thiago Eliezer, presos na 2ª fase da operação, em outubro. Os outros 2 indiciados são Suelen Priscila e Gustavo Santos, que cumprem prisão domiciliar.

Uma nova investigação será instaurada para apurar o possível cometimento do crime de obstrução de investigações envolvendo organizações criminosas.

A investigação recebeu o nome de Spoofing por ser uma expressão relativa a 1 tipo de falsificação tecnológica, que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável.

QUEM SÃO OS SUSPEITOS 

Eis o perfil dos suspeitos presos preventivamente, de acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

  • Gustavo Henrique Elias Santos28: morador de Araraquara, é conhecido como DJ Guto Dubra. Organizava festas em cidades no interior de São Paulo. Tem antecedentes criminais, como roubo de veículo com documentos adulterados, posse de armamento falso. Chegou a ser condenado 2015, mas foi solto após recurso da defesa. Também foi detido em Santa Catarino junto ao Walter Delgatti, que também foi preso no caso de invasão aos celulares de autoridades. Entre abril e junho deste ano, Elias –que tem renda mensal de quase R$ 3.000– teve uma movimentação suspeita de R$ 424 mil em sua conta. Sobre a possível atividade de Hacker, seu advogado, Ariovaldo Moreira, nega a participação do cliente.
  • Suelen Priscila de Oliveira, 25: Mulher de Gustavo Elias, foi presa no mesmo endereço que o marido, em São Paulo. Ela não tinha passagem pela polícia, mas também estava presente no episódio em que o marido e Delgatti foram detidos em SC. À época, o amigo do casal tentou se passar por delegado da Polícia Civil. Assim como o marido, ela apenas prestou depoimento e foi liberada na ocasião. Agentes da PF encontraram R$ 100 mil em espécie no apartamento de Suelen e Elias. Segundo a defesa dela, Suelen tem conhecimento “razoável” de informática e trabalha com criptomoedas.
  • Walter Delgatti Neto, 30: conhecido como “vermelho”, é filiado ao DEM de Araraquara desde 2007, segundo informações da Justiça Eleitoral. Além de ser detido em 2015 após se passar por policial civil depois de furtar 1 celular, foi novamente preso no mesmo ano por utilizar 1 cartão de crédito roubado e em 2017 por falsificação de documentos. Já em 2018, foi condenado por estelionato por também usar 1 cartão bancário furtado. Delgatti é crítico do presidente Jair Bolsonaro e do ex-juiz Sergio Moro no Twitter. Além disso, demonstrou conhecimento de informática ao responder postagem de Deltan Dallagnol sobre a Vaza Jato na mesma rede social: “Mesmo apagando tudo, os caches ficam no celular, eles são arquivos fragmentados, sem o conteúdo das mensagens, mas com todas saídas e entradas de mensagens”, afirmou.
  • Danilo Cristiano Marques, 33: dono de uma pequena empresa, foi preso em Araraquara. Segundo o portal A Cidade On, de Araraquara, é amigo de Delgatti e já foi testemunha dele em 2 processos. Era motorista de Uber, segundo a defensora pública.

Os presos na 2ª fase da operação são Thiago Eliezer e Luiz Molição, por determinação do juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça, em Brasília.