Justiça aceita denúncia contra sargento preso com cocaína em voo da FAB

A Justiça Militar aceitou a denúncia do MPM (Ministério Público Militar) contra o segundo-sargento da FAB (Força Aérea Brasileira) Manoel Silva Rodrigues, detido na Espanha ao transportar 39 quilos de cocaína pura a bordo de avião oficial.

O MPM denunciou o sargento por tráfico internacional de drogas. Apesar de o crime não estar previsto no Código Penal Militar, a promotoria militar entendeu que o caso se enquadra na hipótese de crime de natureza militar por extensão, já que Rodrigues estava a serviço e, supostamente, atentou contra a ordem administrativa militar.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Para o órgão, independentemente das eventuais punições que forem aplicadas pela Justiça espanhola, Rodrigues deve responder à Justiça Militar brasileira.

O sargento foi detido em 25 de junho de 2019, na Espanha, onde continua preso. Ele chegou a Sevilla a bordo de uma aeronave da Força Aérea, na qual viajava com 1 grupo de oficiais e servidores que, costumeiramente, dão apoio às viagens oficiais do presidente da República, chegando antes ao destino para se encarregar dos preparativos.

Segundo o Ministério Público Militar, o sargento estava escalado para seguir viagem com o grupo no dia 26, na função de comissário no trecho Sevilla-Brasília, mas foi preso antes por policiais espanhóis.

Cálculos periciais apontam que a droga apreendida poderia ser vendida por algo em torno de R$ 6,3 milhões. Ao acatar a denúncia, o juiz Frederico Magno de Melo Veras marcou o início da oitiva das testemunhas para a tarde de 21 de maio de 2020.

A droga atribuída ao 2º sargento. Produto foi apreendido em junho do ano passado divulgação/Guarda Civil da Espanha


Com informações da Agência Brasil