Maia, Alcolumbre, Toffoli, Olavo de Carvalho e OAB condenam citação a Goebbels

Em menos de 24 horas o agora ex-secretário da Cultura Roberto Alvim transformou-se em unanimidade nacional: conseguiu ser repudiado pelos chefes dos Três Poderes da República, pelo guru filosófico do governo federal Olavo de Carvalho, pela OAB e por políticos de todo o espectro ideológico.

Em vídeo publicado nesta 5ª feira (16.jan.2019), Alvim fez discurso similar à fala do ministro da propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels. O governo decidiu demití-lo na manhã desta 6ª feira (17.jan.2019).

Reações da política

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu o afastamento de Alvim em sua conta no Twitter. “O secretário de Cultura passou de todos os limites”, escreveu Maia.

Davi Alcolumbre, presidente do Senado, distribuiu nota à imprensa em que classificou como “acintoso, descabido e infeliz” o pronunciamento de Alvim, de “assombrosa inspiração nazista”. O senador é judeu, fato que lembrou em sua manifestação. Ele também falou em sua conta no Twitter.

reprodução/Twitter

Ao portal G1, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, manifestou repúdio às declarações. “Há de se repudiar com toda veemência a inaceitável agressão que representa a postagem feita pelo secretário de Cultura. É uma ofensa ao povo brasileiro e, em especial, à comunidade judaica”.

O jornal do guru de setores mais ideológicos do governo Bolsonaro pediu a cabeça de Alvim por meio de seu jornal, o Brasil Sem Medo. Também falou sobre o assunto no Twitter:

O Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) manifestou “total repúdio e indignação com a fala do secretário da Cultura, Roberto Alvim, que publicou manifestação reproduzindo com absoluta – e pensada – similaridade o discurso nazista de Joseph Goebbels”. Leia íntegra da manifestação da entidade.

Veja outras reações

Partidos políticos, personalidades da política e entidades ligadas ao governo e à Alemanha também se posicionaram sobre o caso. Eis o que disseram:

  • Luciano Huck – o apresentador, que é de família judia, classificou como “inaceitável” as declarações de Alvim.
  • Embaixada da Alemanha no Brasil – disse que se opõe a qualquer tentativa de banalizar o período que trouxe “sofrimento infinito à humanidade”
  • João Doria – o prefeito de São Paulo disse que é “lamentável” que alguém faça apologia ao nazismo;
  • Oposição na Câmara dos Deputados – o líder do grupo, Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou: “‪O governo Bolsonaro está desavergonhadamente abraçando o nazismo e seus absurdos! Vamos convocar o secretário de Cultura e o Ministro da Cidadania. E representarei na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão para que medidas judiciais sejam tomadas.”
  • MDB nacional – disse repudiar o “copia e cola” da propaganda nazista;
  • Procuradoria Geral da República – procurador-geral da República, Augusto Aras, disse: “a única ideologia política admissível no Brasil é a democracia participativa que tem como princípio fundante a liberdade de expressão. Ideias nazifascistas são totalitárias e destroem a democracia, daí por que, nesta excepcionalidade, a liberdade de expressão pode ser relativizada, consoante o paradoxo da tolerância de Karl Popper”;
  • Marina Silva – a ex-ministra afirmou que a fala do ex-secretário foi “repugnante e inaceitável”;
  • Fernando Haddad – o ex-ministro da Educação comentou no Twitter que talvez o problema não fosse Alvim, seguido de uma foto de Bolsonaro.