Oferta de ações da Petrobras detidas pelo BNDES pode levantar mais de R$ 19 bilhões


O banco estatal detém atualmente cerca de 10% do total de ações ordinárias emitidas pela companhia. Oferta pública global tem valor de até R$ 23,5 bilhões. A venda de ações da Petrobras detidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) pode render mais de R$ 19 bilhões, segundo documentos divulgados nesta quarta-feira (22) pea petroleira.
Segundo prospecto preliminar da oferta de ações, divulgado pela Petrobras, serão oferecidas 611.835.583 ações ordinárias (com direito a voto) da companhia. A venda dos papéis será feita por meio de ofertas no Brasil e no exterior.
Considerando o preço de fechamento das ações no dia 20 de janeiro (R$ 31,98), a oferta pode atingir mais de R$ 19 bilhões, já descontadas as comissões, segundo o documento.
A operação prevê ainda um lote adicional de até 20%, em relação ao montante inicial, com a possibilidade de venda de mais 122.367.116 de ações, a depender da demanda pelos papéis, o que pode permitir o BNDES levantar mais de R$ 23 bilhões.
Nesta terça-feira, as ações ordinárias da Petrobras fecharam cotadas a R$ 31,02.
“A oferta pública global tem valor de até US$ 5,6 bilhões (R$ 23,5 bilhões) e envolverá a alienação de até 9,86% das ações ordinárias (ON) da Petrobras”, informou o BNDES em nota, acrescentando que a venda, não envolve as ações preferenciais (PN) de propriedade do banco.
Segundo o prospecto, a oferta deverá ser precificada até 5 de fevereiro.
Os investidores interessados na oferta deverão realizar seus pedidos de reserva no período de 29 de janeiro a 4 de fevereiro.
BNDES tem participação de 6,9% do capital total da Petrobras
O BNDES avalia vender as ações da Petrobras desde o fim do ano passado. O banco detém cerca de 10% do total de ações ordinárias emitidas pela companhia, com participação de 6,9% do capital total da petroleira considerando também as ações preferenciais.
“Estamos colocando a mercado a posição das ações votantes detidas pelo BNDES. A operação pode chegar a um total de R$ 23,5 bilhões, e a gente tem uma oferta base de R$ 19,6 bilhões. Então é uma operação que vai ficar entre R$ 19,6 bilhões e R$ 23,5 bilhões, dependendo da demanda do mercado”, disse Gustavo Montezano, em Davos, onde participa do Fórum Econômico Mundial, o presidente do banco.
“O banco hoje para 60% do seu lucro liquido à União. Como essa operação gera um lucro contábil, vai ser distribuída aos acionistas no final do semestre”, explicou.
Composição acionária da Petrobras
Reprodução
Redução da participação do BNDES em empresas
O BNDES tem reduzido a sua participação acionária e empresas e feito pagamentos antecipados ao governo federal de forma a reduzir as dívidas com o Tesouro Nacional. No acumulado de janeiro a setembro do ano passado, o banco levantou R$ 10,656 bilhões com a venda de ações, com destaque para as alienações de participações na Vale e Fibria.
“A operação decorre do programa de desinvestimento de participações acionárias em empresas maduras e listadas em bolsa de valores da carteira do Sistema BNDES, que vem em curso desde 2019. Esse programa promove a redução do risco de mercado do banco, ao mesmo tempo que permite realocar seu capital para investimentos de maior impacto para a sociedade, como saneamento, mobilidade urbana, educação e segurança”, informou o BNDES.
Nos últimos meses, o BNDES também vendeu o total de participações acionárias do nas empresas Marfrig Global Food S.A. e Light S.A..
“O BNDES possui em curso, ainda, potencial oferta pública de ações ordinárias da JBS”, acrescentou.
Auditoria não encontra irregularidades nas transações do BNDES